2 de jun de 2009

ÚLTIMA CARTA DE OLGA BENÁRIO À LUÍS CARLOS PRESTES E À FILHA



A última carta que Olga escreveu a Luís Carlos Prestes e а filha, ainda em Ravensbrück, na noite da viagem de ônibus que a levaria а morte em Bernburg, em 17 de outubro de 1936




"Queridos:



Amanhã vou precisar de toda a minha força e de toda a minha vontade. Por isso, não posso pensar nas coisas que me torturam o coração, que são mais caras que a minha própria vida. E por isso me despeço de vocês agora. É totalmente impossível para mim imaginar, filha querida, que não voltarei a ver-te, que nunca mais voltarei a estreitar-te em meus braços ansiosos. Quisera poder pentear-te, fazer-te as tranças - ah, não, elas foram cortadas. Mas te fica melhor o cabelo solto, um pouco desalinhado. Antes de tudo, vou fazer-te forte. Deves andar de sandálias ou descalça, correr ao ar livre comigo. Sua avó, em princípio, não estará muito de acordo com isso, mas logo nos entenderemos muito bem. Deves respeitá-la e querê-la por toda a tua vida, como o teu pai e eu fazemos. Todas as manhãs faremos ginástica... Vês? Já volto a sonhar, como tantas noites, e esqueço que esta é a minha despedida. E agora, quando penso nisto de novo, a ideia de que nunca mais poderei estreitar teu corpinho cálido é para mim como a morte. Carlos, querido, amado meu: terei que renunciar para sempre a tudo de bom que me destes? Conformar-me-ia, mesmo se não pudesse ter-te muito próximo, que teus olhos mais uma vez me olhassem. E queria ver teu sorriso. Quero-os a ambos, tanto, tanto. E estou tão agradecida à vida, por ela haver me dado a ambos. Mas o que eu gostaria era de poder viver um dia feliz, os três juntos, como milhares de vezes imaginei. Será possível que nunca verei o quanto orgulhoso e feliz te sentes por nossa filha?

Querida Anita, meu querido marido, meu garoto: choro debaixo das mantas para que ninguém me ouça pois parece que hoje as forças não conseguem alcançar-me para suportar algo tão terrível. É precisamente por isso que me esforço para despedir-me de vocês agora, para não ter que fazê-lo nas últimas e difíceis horas. Depois desta noite, quero viver para este futuro tão breve que me resta. De ti aprendi, querido, o quanto significa a força de vontade, especialmente se emana de fontes como as nossas. Lutei pelo justo, pelo bom e pelo melhor do mundo. Prometo-te agora, ao despedir-me, que até o último instante não terão porque se envergonhar de mim. Quero que me entendam bem: preparar-me para a morte não significa que me renda, mas sim saber fazer-lhe frente quando ela chegue. Mas, no entanto, podem ainda acontecer tantas coisas... Até o último momento manter-me-ei firme e com vontade de viver. Agora vou dormir para ser mais forte amanhã. Beijos pela última vez.

Olga."

4 comentários:

Shirlei disse...

Olá Joice...

Obrigada pela visita lá na página que começei a criar agora...Como boa historiadora,sou muito curiosa e vim aqui ver como é o seu...Que surpresa"dar de cara" com um post sobre Olga. Fico muito impressionada qd leio as memórias de sobreviventes do Holocausto ou fragmentos como este que trouxe daqueles que partiram da forma mais terrível que pode existir: o preconceito...
Dei uma olhada nos outros post´s tb e vou segui-lo como uma ferramenta durante a graduação...Não é sempre que encontramos História, internet à fora (pelo menos não uma que valha a pena...rsrs)...
Abraços

Profª. Joice Belini disse...

Obrigada Shirlei, colocarei mais posts sobre o Holocausto. Beijão

karolynne disse...

muito emocionante essa carta,tenho 16 anos ,assisti ao filme com 14 e me apaixonei nesse momento....minha heroína...karolynne barbosa

Joice Belini disse...

Uma inspiração, com certeza. Obrigada por comentar Karolynne Barbosa. Volte sempre!

Postar um comentário